Estamos migrando o conteúdo do antigo portal da PMPA. Se não encontrar o que está procurando, tente visitar o site antigo (link abre em nova janela).
Saúde

Curso qualifica médicos para atendimento nas unidades de saúde

13/09/2019 12:21
SMS/PMPA
médicos
Curso reúne 260 profissionais no auditório do Centro de Saúde IAPI

Oferecer aos médicos que atendem nas unidades de saúde informações que contribuam para o diagnóstico e manejo de doenças musculoesqueléticas está entre os objetivos do curso promovido nesta semana pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A programação começou segunda e vai até esta sexta-feira, 13, reunindo cerca de 260 profissionais no auditório do Centro de Saúde IAPI (rua Três de Abril, 90, Passo D’Areia).

A dinâmica é coordenada pelo médico de família e comunidade Alexandre Fortes, que falou da importância de criar novos hábitos para melhorar a qualidade de vida e, consequentemente, as dores. “Existe a medicina de estilo de vida, uma nova especialidade baseada em quatro pilares muito simples: alimentação saudável, prática de atividade física, técnicas de relaxamento e uma boa noite de sono”, resume.

Ele compara o cuidado com o corpo à escovação dos dentes. “Se a pessoa não escovar todos os dias, não vai adiantar tratar a cárie e a gengivite. A mesma coisa é com o corpo, nosso aparelho musculoesquelético: se não fizer atividade física, alimentar-se de forma saudável, alongar, aprender a respirar e corrigir a postura, a dor vai voltar ou vai se perpetuar”, ensina o médico, enfatizando a importância da mudança de hábito. Conforme Fortes, a dor acaba sendo a mola que vai tirar a pessoa da zona de conforto e estimular a mudança de hábitos. “Não dá para dizer que não tem tempo, falta priorização”, avalia.
 
A assessora de ensino da SMS, Leila Coffy, explica que a ideia da capacitação é qualificar o atendimento de pacientes com queixas de dor musculoesquelética e propiciar diagnóstico, nexo causal e manejo das queixas mais comuns relacionadas ao trabalho, reduzindo encaminhamentos para ortopedistas e solicitação de exames desnecessários. O objetivo ainda é evitar cronificação de queixas agudas e de afastamentos prolongados do trabalho, além do aumento da resolutividades do médico de família e comunidade na rede municipal.

O supervisor e professor do Instituto Brasileiro de Osteopatia (IBO), Filipe Guerrero, é um dos monitores do curso junto com outros 35 profissionais do IBO. “A visão mais generalista da osteopatia possibilita aos médicos saírem da patologia e considerarem a questão funcional do problema. A dor não necessariamente é de uma patologia, pois um processo inflamatório tem origem mecânica e isso é uma das questões apresentadas no curso”, comenta.

O médico do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest POA), Geraldo Azevedo, foi um dos palestrantes da semana e destaca que grande parte das dores musculoesqueléticas tem origem no trabalho e na forma como é executado. “Assim, se não agirmos nessa causa, os pacientes continuarão a ter sintomas e incapacidades. A capacitação da rede de atenção, alertando para as doenças do trabalho, torna o olhar do profissional médico e fisioterapeuta mais sensível a essas questões e nos traz mais próximo da resolutividade e prevenção", considera.

Na primeira fase do Curso de Medicina Musculoesquelética na Atenção Primária à Saúde, os profissionais estudaram conteúdos relacionados aos fundamentos da medicina musculoesquelética ligada a problemas de coluna lombar, joelhos e ombros. Do total de participantes, 30 farão o nível complementar, que tratará da dor miofascial e agulhamento seco. Participam profissionais da SMS, Instituto Brasileiro de Osteopatia, Hospital de Clínicas e Grupo Hospitalar Conceição.

 

Vanessa Conte e Patrícia Coelho

Taís Dimer Dihl