Conteúdos relacionados a: mosquito Aedes aegypti

Prefeitura retoma vistoria da malha de armadilhas de monitoramento de Aedes aegypti

Retomada acontece após o processo de remanejamento de 586 unidades do equipamento, iniciado em julho. No total, 910 armadilhas permitem monitoramento de 46 bairros da cidade.
30/08/2022 15:37

A Prefeitura retomou a vistoria das 910 armadilhas de monitoramento do mosquito Aedes aegypti na segunda-feira, 29, após o processo de remanejamento de 586 unidades do equipamento, iniciado em julho. As outras 324 unidades permaneceram no local onde estavam instaladas.

O remanejo das armadilhas visou aumentar o espaçamento entre as unidades, de 250 metros para 300 metros. Com a medida, foi possível instalar 26 armadilhas no bairro Vila Nova – na área do bairro onde houve a maior concentração de casos de dengue em 2022 –, ampliando para 46 o número de bairros monitorados pelo sistema.

As armadilhas de monitoramento são vistoriadas por agentes contratados pela empresa Ecovec, que presta o serviço para a Prefeitura. A cada semana, cada armadilha é vistoriada para avaliação sobre captura de fêmeas do mosquito vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. De acordo com o número de fêmeas coletadas, se forma o mapa do Aedes, hospedado no site Onde Está o Aedes? (www.ondeestaoaedes.com.br). O mapa indica o índice de infestação vetorial nos bairros monitorados, indicando, de acordo com a cor da armadilha, o risco de transmissão viral na localidade.

Armadilha verde significa que não houve coleta de fêmea na semana; amarela, uma fêmea coletada; laranja, duas fêmeas coletadas; e vermelha, três ou mais fêmeas. Todas as fêmeas de Aedes aegypti coletadas nas armadilhas são enviadas para Minas Gerais, onde é feita análise laboratorial sobre presença de vírus da dengue, zika ou chikungunya no inseto.