Saúde

Vacinas

Imunizações

A Equipe de Imunizações é a responsável pela implementação e execução do Programa Nacional de Imunizações (PNI) em âmbito municipal. O setor trabalha com o abastecimento, distribuição, monitoramento, capacitação da rede e suporte técnico, entre outras funções relativas aos imunobiológicos e soros.

Essa Equipe é composta por dois núcleos, que realizam o abastecimento das unidades de saúde de acordo com as seguintes regiões:

  • Núcleo de Imunizações Zona Sul - Distribuição para as regiões Sul, Centro-Sul, Restinga, Extremo Sul, Glória, Cruzeiro, Cristal, Centro, Partenon e Lomba do Pinheiro.
    Avenida Padre Cacique, 372/Térreo
    Contato: vacinapoa@gmail.com
    (51) 3289-2479

  • Núcleo de Imunizações Zona Norte - Distribuição para as regiões Norte, Eixo Baltazar, Noroeste, Humaitá, Navegantes, Ilhas, Leste e Nordeste.
    Rua Três de Abril, 90 - Passo D'Areia
    Contato: vacinapoazn@gmail.com
    (51) 3289-3953

Vacinação de Rotina

As vacinas de rotina compõem o calendário vacinal determinado pelo Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde.

São aplicadas em todas as unidades de saúde.

Para saber quais estão indicadas para sua faixa etária ou para as pessoas da sua família, procure qualquer unidade de saúde, preferencialmente portando documento de identificação. A carteira de vacinas é um documento importante para avaliação do histórico vacinal, se disponível, leve-a sempre com você.

Confira o calendário vacinal de rotina.

 

RECÉM-NASCIDOS A MENORES DE 7 ANOS

BCG – previne as formas graves de tuberculose, aplicada em dose única, ao nascer, ainda na maternidade. Caso não tenha recebido no hospital, pode ser aplicada até 4 anos, 11 meses e 29 dias nas unidades de saúde de referência.

Hepatite B do recém-nascido – Aplicada uma dose ao nascer, ainda na maternidade, ou até os 30 dias de vida nas unidades de saúde.

Pentavalente – protege contra hepatite B, difteria, tétano, coqueluche e infecções pelo haemophilus influenzae tipo B. São 3 doses, aos 2, 4 e 6 meses de vida. Pode ser aplicada até os 6 anos, 11 meses e 29 dias.

Tríplice bacteriana (DTP) – protege contra difteria, tétano e coqueluche. São 2 doses de reforço, após as 3 doses da pentavalente, e são aplicadas aos 15 meses e aos 4 anos de idade. Podem ser aplicadas até 6 anos, 11 meses e 29 dias.  

Poliomielite injetável (VIP) – protege contra a paralisia infantil. São 3 doses, aos 2, 4 e 6 meses de vida. Pode ser aplicada até os 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Poliomielite oral (VOP) – é a vacina da gotinha! Protege contra a paralisia infantil. São 2 doses de reforço, após as 3 doses de poliomielite Injetável, e são aplicadas aos 15 meses e 4 anos de idade. Pode ser aplicada até os 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Rotavírus oral monovalente – previne contra gastroenterites causadas pelo rotavírus do sorotipo G1 (também oferece proteção cruzada contra os sorotipos G2, G3, G4, G9). São 2 doses, aos 2 e 4 meses. Atenção, a primeira dose pode ser aplicada somente até os 3 meses e 15 dias de vida.

Pneumocócica 10 valente – previne contra infecções invasivas causadas por 10 sorotipos de Streptococus pneumonia. São duas doses, aos 2 e aos 4 meses, que podem ser aplicadas até 11 meses e 29 dias. Uma dose de reforço é aplicada a partir de 1 ano de idade, até os 4 anos, 11 meses e 29 dias. 

Meningocócico tipo C - previne contra infecções invasivas causadas pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C. São duas doses, aos 3 e aos 5 meses, que podem ser aplicadas até os 11 meses e 29 dias. Uma dose de reforço é aplicada a partir de 1 ano de idade, até 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Hepatite A pediátrica – aplicada em dose única, a partir dos 15 meses, até 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Febre Amarela – são 2 doses para crianças que iniciaram a vacinação antes dos 5 anos, indicadas aos 9 meses e 4 anos de idade. Para não vacinados, a partir dos 5 anos, é indicada em dose única. 

Tríplice Viral – protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Para crianças são 2 doses, indicadas a partir dos 12 e 15 meses. O intervalo mínimo entre as doses são 30 dias.

Varicela – são duas doses, aos 15 meses e 4 anos de idade. Pode ser aplicada até 6 anos, 11 meses e 29 dias.

Tetra Viral – protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela. Quando disponível, está indicada a partir dos 15 meses, até 4 anos, 11 meses e 29 dias. Em uma única aplicação, a criança recebe a 2ª dose da Tríplice Viral e a 1ª dose da Varicela.

 

DOS 7 ANOS AOS 17 ANOS

Hepatite B – indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema.

Dupla adulto – protege contra difteria e tétano. São indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema. Indicada uma dose de reforço a cada 10 anos.

Meningocócica ACWY – indicada em dose única para adolescentes dos 11 a 14 anos, 11 meses e 29 dias. Pode ser aplicada em quem recebeu a mesma vacina na infância, na rede privada.

HPV quadrivalente – previne contra câncer genital, lesões pré-cancerosas ou displásicas, verrugas genitais e outras infecções causadas pelo papiloma vírus humano (HPV) dos tipos 6, 8 11 e 16. São 2 doses, com intervalo de 6 meses, a partir dos 9 anos. A primeira dose pode ser aplicada até 14 anos, 11 meses e 29 dias. O esquema pode ser completado até 26 anos, 11 meses e 29 dias.

Febre Amarela – indicada em dose única para não vacinados. Quem recebeu apenas uma dose antes dos 5 anos tem a indicação de um reforço.

Tríplice Viral - Protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Para crianças e adolescentes são 2 doses, com intervalo mínimo de 30 dias.

 

ADULTOS E IDOSOS

Hepatite B – indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema.

Dupla adulto – protege contra difteria e tétano. São indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema. Indicada uma dose de reforço a cada 10 anos.

Febre amarela – indicada em dose única para não vacinados. Quem recebeu apenas uma dose antes dos 5 anos têm indicação de reforço. A partir dos 60 anos pode ser feita somente com autorização médica por escrito.

Tríplice Viral - Protege contra sarampo, caxumba e rubéola. De 1 a 29 anos de idade, o esquema vacinal são duas doses. De 30 a 59 anos é indicada apenas uma dose.

Certificado Internacional de Vacinação Contra Febre Amarela

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é o documento que comprova a vacinação de febre amarela (FA). Ele é necessário porque alguns países exigem o documento para a entrada em seu território. A OMS (Organização Mundial da Saúde) atualiza regularmente em seu portal os países que exigem o documento. Consulte aqui a lista simplificada de países que exigem o CIVP de febre amarela. Se seu voo tiver escala ou conexão, confira todos os países por onde irá passar.

A validade do CIVP de febre amarela inicia-se 10 dias após a data de vacinação e se estende por toda a vida. Você só precisa tirá-lo apenas uma vez.

Para quem tomou a vacina a partir de 30/12/2022, o Certificado estará disponível no ConectSus: clique aqui para saber mais. Para quem realizou a vacinação antes dessa data, a solicitação deverá ser feita através do site: gov.br.

Profissionais da Saúde

Hepatite B - indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema.

Anti-HBs – a realização, na rotina, é indicada apenas para profissionais de saúde. De acordo com o resultado do exame, pode ser necessária uma dose teste ou um segundo esquema vacinal. Procure uma unidade de saúde ou o serviço de saúde do trabalhador para avaliação.  

Dupla adulto – Protege contra difteria e tétano. São indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema.

Tríplice bacteriana acelular – Protege contra difteria, tétano e coqueluche. É indicada uma dose dentro do esquema da dupla adulto, para esquemas incompletos. Profissionais de saúde com esquema completo, aplicar uma dose de reforço a cada 10 anos.

Tríplice Viral - Protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Esquema vacinal são 2 doses, com intervalo de 30 dias, independente da idade. Anti sarampo e dupla viral são desconsideradas.

Varicela – Para profissionais da saúde que trabalham na área assistencial, independente da idade, são indicadas uma ou duas doses, de acordo com o laboratório produtor. 

Febre amarela – indicada em dose única para não vacinados. Quem recebeu apenas uma dose antes dos 5 anos tem a indicação de um reforço.

Gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto)

Hepatite B – indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema.

Dupla adulto – protege contra difteria e tétano. São indicadas 3 doses para pessoas não vacinadas. Pessoas com esquema incompleto devem receber as doses pendentes, não é necessário reiniciar o esquema. Indicada uma dose de reforço a cada 10 anos.

Tríplice bacteriana acelular – indicada especialmente para gestantes, para proteção da mãe e do bebê contra coqueluche. Também protege contra difteria e tétano. Indicada uma dose a cada gestação, a partir da 20ª semana.

Influenza – indicada uma dose durante a campanha anual contra gripe. Gestantes são do grupo prioritário para a vacinação.

Prematuros

Vacinas combinadas acelulares (tríplice bacteriana - DTPa, penta – DTPa+Hib+VIP ou hexavalente – HB+DTPa+Hib+VIP) – bebês prematuros que nasceram com menos de 33 semanas de gestação ou menos de 1,5 Kg necessitam de atenção especial durante a aplicação de vacinas. No CRIE estão disponíveis as vacinas combinadas acelulares que reduzem a necessidade do número de injeções e o risco de reações adversas.

Vacinação contra Influenza

O vírus da influenza tem a capacidade de sofrer mutações e causar complicações graves, principalmente nas pessoas elencadas nos públicos prioritários para a vacinação. Por isso é importante vacinar-se todos os anos, pois a vacina é sempre atualizada com as cepas mais recorrentes. A vacinação ocorre em todas as unidades de saúde e os públicos prioritários são atendidos gradualmente, conforme cronograma anunciado a cada campanha, nos meios de comunicação da Secretaria Municipal da Saúde.

Covid-19

A vacinação contra a Covid-19 está disponível em todas as unidades de saúde, exceto a vacina Pfizer adulto monovalente, que pode ser encontrada nas unidades de referência.

Os esquemas vacinais são indicados de acordo com a faixa etária:

 

6 meses a menores de 5 anos

Vacina indicada: Pfizer Baby (tampa cor de vinho)

Esquema: 3 Doses

Intervalo de 4 semanas entre Dose 1 e Dose 2

Intervalo de 8 semanas entre Dose 2 e Dose 3

5 a 11 anos 

Vacina indicada: Pfizer Pediátrica (tampa laranja)

Esquema: 2 Doses + 1 Reforço

Intervalo de 8 semanas entre Dose 1 e Dose 2

Intervalo de 4 meses entre Dose 2 e Reforço

12 a 17 anos 

Vacina indicada: Pfizer Adulto monovalente (tampa roxa)

Esquema: 2 Doses + 1 Reforço*

Intervalo de 8 semanas entre Dose 1 e Dose 2

Intervalo de 4 meses entre Dose 2 e Reforço*

*Para grupos prioritários, o reforço deve ser feito com a vacina Pfizer Bivalente.

A partir de 18 anos 

Vacina indicada: Pfizer Adulto monovalente (tampa roxa) e Pfizer Bivalente (tampa cinza)

Esquema: no mínimo 2 doses de vacina monovalente + 1 reforço com a Bivalente

Intervalo de 8 semanas entre Dose 1 monovalente e Dose 2 monovalente

Intervalo de 4 meses entre a última dose de monovalente e o Reforço com a vacina Pfizer Bivalente

 

Considera-se dose de vacina monovalente as aplicadas com vacinas Coronavac/ Sinovac/ Butantan, Astrazeneca/ Fiocruz, Janssen ou Pfizer.

 

Segundo reforço com a vacina Pfizer Bivalente

Indicação:

  • pessoas a partir de 60 anos que receberam o reforço da vacina Pfizer Bivalente a mais de 6 meses;
  • pessoas a partir dos 12 anos que pertençam aos grupos prioritários e que receberam o reforço da vacina Pfizer Bivalente a mais de 6 meses.
Atendimento antirrábico

Atendimento pós exposição

O QUE FAZER QUANDO FOR AGREDIDO POR UM ANIMAL POTENCIALMENTE TRANSMISSOR DA RAIVA?

  • Lavar imediatamente o ferimento com água corrente abundante e sabão ou outro detergente, pois isso diminui, comprovadamente, o risco de infecção.
  • Procurar uma unidade de saúde ou pronto atendimento para avaliação da lesão e necessidade de aplicação de vacina ou soro/ imunoglobulina.

Vacina

 

Clínica da Família Modelo

Rua Jerônimo de Ornelas, 55.

Horário de atendimento: segunda a sexta, das 08h às 12h, das 13h às 17h e das 18h às 21h30min.


Clínica da Família Tristeza

Av. Wenceslau Escobar, 2442.

Horário de atendimento: segunda, quarta e sexta, das 13h às 18h

 

Soro/ Imunoglobulina antirrábica

O local de atendimento é definido pela faixa etária:

 

  • Crianças até 12 anos de idade

Hospital Materno Infantil Presidente Vargas

Av. Independência, 661

Atendimento 24 horas.

  • A partir dos 13 anos de idade

Hospital de Pronto Socorro

Largo Teodoro Herzl, s/nº

Horário de atendimento: segunda a sexta, das 8h às 13h.

 

Vacina pré exposição

É indicada para pessoas com risco de exposição permanente ao vírus da raiva durante suas atividades ocupacionais (médicos veterinários; biólogos; profissionais de laboratório de virologia e anatomopatologia para raiva; estudantes de medicina veterinária, zootecnia, biologia, agronomia e áreas afins; pessoas que atuam na captura, manejo, coleta de amostras, investigações ecopidemiológicas, identificação e classificação de mamíferos; e outros profissionais que trabalham em áreas de risco). Funcionários de pet shops e profissionais que trabalham em área de raiva controlada, entre outros, possuem situação de baixo risco de exposição.

Para solicitar a vacinação, enviar email para vacinapoa@gmail.com com comprovante da atividade ocupacional de risco.

 

Controle sorológico e dose de reforço

Para os profissionais que estão em risco de exposição contínua ou frequente, recomenda-se fazer controle sorológico periodicamente de acordo com o risco a que estão expostos:

  • A cada 6 meses, para as pessoas que estão em risco de exposição permanente (trabalham em laboratório de diagnóstico da raiva, pesquisas laboratoriais e produção da vacina);
  • A cada 2 anos, aos demais profissionais que trabalham em áreas endêmicas (médico veterinários, biológicos, agrônomos, entre outros).

Para controle sorológico, solicitar orientação via email vacinapoa@gmail.com.

Soros antiveneno

Os soros antiveneno são produzidos pelo laboratório Butantan, e fabricados a partir da injeção de antígenos (substâncias que induzem a produção de anticorpos) em equinos. São formulados para acidentes com animais peçonhentos, ou seja, que injetam a peçonha no corpo do paciente de alguma forma (presas, quelíceras, pelos). A administração dos soros é endovenosa e, por isso, deve ocorrer em ambiente hospitalar. Esses imunizantes são divididos em relação ao agressor e estão disponíveis 24 horas no Hospital de Pronto Socorro.

Escorpiões

  • Soro antiescorpiônico: acidentes causados por escorpiões-amarelos (Tityus)

Aranhas

  • Soro antiaracnídico: Loxosceles, Phoneutria e Tytius (escorpiões)

Ofídios (cobras)

  • Soro antibotrópico: abrange os gêneros Bothrops e Bothrocophias (jararaca, urutu, cruzeira, jararacuçu e outras)
  • Soro anticrotálico: são identificadas pelo chocalho na ponta da cauda, representadas pelo gênero Crotalus (cascavéis)
  • Soro antielapídico: dos gêneros Leptomicrurus e Micrurus (coral-verdadeira).
Vacinas especiais - CRIE

As vacinas denominadas especiais (Hepatite A para adultos, Pneumo 13 e 23, Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis acelular (DTPa), Penta acelular (DTPa/Hib/VIP) e Hexa acelular (DTPa/Hib/HB/VIP), Haemophilus Influenzae do tipo B (Hib), Imunoglobulina Hepatite B, varicela e tétano são encontradas nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE).

Para receber as vacinas especiais nos CRIEs, o paciente deve atender a um dos critérios definidos pelo PNI e possuir receituário médico com CID que comprove a indicação: 

Hepatite A: Nas seguintes condições, se suscetíveis: Hepatopatias crônicas de qualquer etiologia, inclusive portadores do vírus da hepatite C (VHC), Portadores crônicos do VHB, Coagulopatias, Pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA), Imunodepressão terapêutica ou por doença imunodepressora, Doenças de depósito, Fibrose cística (mucoviscidose), Trissomias, Candidatos a transplante de órgão sólido, cadastrados em programas de transplantes, Transplantados de órgão sólido (TOS), Transplantados de células-tronco hematopoiéticas (TCTH), Doadores de órgão sólido ou de células-tronco, hematopoiéticas (TCTH), cadastrados em programas de transplantes, Hemoglobinopatias, Asplenia anatômica ou funcional e doenças relacionadas.

Pneumo 13 e 23: A vacina VPC13 seguida da vacina VPP 23 está indicada nas seguintes condições: Pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA), Pacientes oncológicos com doença em atividade ou até alta médica,  Transplantados de órgãos sólidos (TOS), Transplantados de células-tronco hematopoiéticas (TCTH),  Asplenia anatômica ou funcional e doenças relacionadas,  Imunodeficiências primárias ou erro inato da imunidade, Fibrose cística (mucoviscidose), Fístula liquórica e derivação ventrículo peritoneal (DVP). A vacina VPP 23 está indicada para crianças a partir de 2 anos de idade, adolescentes e adultos, segundo as situações de risco enumeradas abaixo: Imunodeficiência devido à imunodepressão terapêutica, Implante coclear, Nefropatias crônicas/hemodiálise/síndrome nefrótica, Pneumopatias crônicas, exceto asma intermitente ou persistente leve,  Asma persistente moderada ou grave,  Cardiopatias crônicas, Hepatopatias crônicas, Doenças neurológicas crônicas incapacitantes, Trissomias, Diabetes, Doenças de depósito.

Haemophilus influenzae tipo b (conjugada) – Hib: Nas indicações de substituição de Penta de células inteiras por DTP acelular + Hib + HB, quando necessário, Transplantados de células-tronco hematopoiéticas (TCTH),  Transplantados de órgãos sólidos (TOS), Pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA), Pacientes oncológicos com doença em atividade ou até alta médica, Imunodepressão terapêutica,  Imunodeficiências primárias ou erro inato da imunidade,  Fístula liquórica e derivação ventrículo-peritoneal (DVP), Implante coclear,  Hemoglobinopatias, Asplenia anatômica ou funcional e doenças relacionadas.

Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis acelular (DTPa), Penta acelular (DTPa/Hib/VIP) e Hexa acelular (DTPa/Hib/HB/VIP): Após os seguintes eventos adversos ocorridos com a aplicação da vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP) ou com a vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo b (Penta de células inteiras): Convulsão febril ou afebril nas primeiras 72 horas após a vacinação, Episódio hipotônico-hiporresponsivo (EHH) nas primeiras 48 horas após a vacinação. Para crianças que apresentem risco aumentado de desenvolvimento de eventos graves à vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP) ou à vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo b (Penta de células inteiras): Doença convulsiva crônica,  Cardiopatias ou pneumopatias crônicas com risco de descompensação em vigência de febre, Doenças neurológicas crônicas incapacitantes,  Bebês que ainda permaneçam internados na unidade neonatal por ocasião da idade de vacinação, Bebês prematuros nascidos com menos de 33 semanas (até 32 semanas e 6 dias) ou com menos de 1.500 gramas de peso ao nascimento, Preferencialmente, nas seguintes situações de imunodepressão: Pacientes oncológicos com doença em atividade ou até alta médica, Pacientes com doenças imunomediadas que necessitem de imunodepressão terapêutica, Transplantados de órgãos sólidos (TOS), Transplantados de células-tronco hematopoiéticas (TCTH).

CRIE Hospital Materno Infantil Presidente Vargas
Endereço: Av. Independência 661 Bairro Independência, Porto Alegre/RS
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h

CRIE Hospital Sanatório Partenon
Endereço: Av. Bento Gonçalves, n°. 3.722, Bairro Partenon, Porto Alegre/RS

Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h

Pacientes acamados podem ser vacinados em domicílio. A solicitação deve ser feita na unidade de saúde que atende o endereço da residência com o receituário médico com o nome da vacina e com CID que comprove a indicação. Consulte aqui a lista das unidades de saúde.

Notificação de Eventos Supostamente Atribuíveis à Vacinação ou Imunização - ESAVI

As vacinas pertencem a um grupo de produtos biológicos com excelente perfil de segurança. A ocorrência de Eventos Supostamente Atribuíveis à Vacinação ou Imunização (ESAVI) deve ser imediatamente notificada, investigada e esclarecida para garantir a segurança geral da população e do Programa de Imunizações. Por essa razão, os sistemas de vigilância de efeitos colaterais ocorridos pós-vacinação realizam a busca e a investigação de todas as possíveis reações notificadas à autoridade sanitária local.

A notificação dos ESAVI é realizada em dois sistemas de informação de acordo com o tipo de imunobiológico administrado e o vínculo do profissional de saúde.

Os ESAVI que ocorrem com imunobiológicos da rede pública devem ser notificados no Sistema de Informação E-SUS Notifica. Para realizar a notificação, os indivíduos deverão se deslocar aos serviços vacinadores com os documentos pertinentes, quando disponíveis: notas de atendimento médico-hospitalares, exames realizados, receituários médicos.

Os ESAVI que ocorrem com imunobiológicos da rede privada ou aqueles identificados por profissionais de saúde liberais devem ser notificados no VigiMed, sistema gerenciado pela Anvisa. A notificação pode ser feita por profissionais de saúde ou cidadãos: VigiMed Anvisa

 

Atualizado em
20/12/2023