Saúde

Mesmo com pandemia, prefeitura reduz tempo de encaminhamento para leitos de UTI

12/08/2020 16:32
Maria Ana Krack / PMPA
SAÚDE
Tempo mediano entre a solicitação e a autorização para transferência caiu de 25h para 12h em julho, em relação a 2019

O acesso a leitos de terapia intensiva em casos de urgência está mais eficiente em Porto Alegre. Dados do Sistema de Gerenciamento de Internações da Secretaria Municipal de Saúde (Gerint/SMS) referentes aos meses de junho, julho e agosto mostram que, mesmo com a pandemia do coronavírus (Covid-19), o tempo de acesso a leitos de UTI teve redução significativa.

Embora as solicitações de internação em UTI tenham aumentado, com 819 solicitações em julho, período crítico da pandemia, a Capital manteve a mediana de tempo de resposta para internação em 12 horas, que é o tempo entre a solicitação e a autorização para transferência do paciente. 

No ano passado, foram 330 solicitações de internação em julho, com a mediana de 25 horas, tempo que em 2018 era de 35 horas, com 343 pedidos de internação. Este ano, o tempo de acesso ao leito para 80% dos pacientes com necessidade de UTI adulto foi de 35 horas no mesmo mês, sendo de 72 horas, em 2019, e de 91 horas, em 2018.

"Isso demonstra que o valor que o município investiu nos últimos três anos em tecnologia e ampliação de leitos trouxe uma maior adequação e tranquilidade ao sistema, colocando o paciente no lugar certo e no momento em que ele precisa" - Prefeito Nelson Marchezan Júnior.

Conforme o coordenador da Central de Regulação de Leitos da SMS, Jorge Osório, o resultado deve-se a fatores como o aumento da oferta de leitos de UTI e a eficiência na resposta dos hospitais da rede municipal de saúde. A implantação do Protocolo de Prioridade para Regulação de Internações de Urgência, no final de 2018, também influenciou na qualificação do processo a partir do ano seguinte.Outra mudança foi no padrão de agravo que motivou as internações em UTI. Enquanto nos dois anos anteriores as doenças respiratórias lideravam as solicitações de internação de urgência nos meses de inverno, em 2020 o grande motivador foi a síndrome gripal relacionada ao Covid-19, seja de casos confirmados ou suspeitos.

A melhora do acesso ao leito se reflete na redução do percentual de óbitos de pacientes em atendimento de urgência antes da efetiva transferência ao leito de UTI. No inverno de 2019, a redução foi de 30% em relação ao ano anterior. Já neste ano, mesmo com a pandemia, houve uma redução de 50% nos óbitos pré-transferência em relação a 2019.

Gráfico
 

 

  

 

Vanessa Conte

Andrea Brasil

coronavirus-cartao-social.png

Acompanhe a prefeitura nas redes